A descoberta da alteridade pelos viajantes

De acordo com o texto (A descoberta da alteridade pelos viajantes), tudo o que é diferente da cultura, deveria ser expulso, pois não tinha identidade e não deveria pertencer a sociedade, como Laplantine citou:“ Atitude, que consiste em expulsar da cultura, isto é, para a natureza todos aqueles que não participam da faixa de humanidade à qual pertencemos e com a qual nos identificamos, é, como lembra Lévi-Strauss, a mais comum a toda a humanidade, e, em especial, a mais característica dos “selvagens”. (LAPLANTINE, 1999, p. 40)

Ele ainda citou algumas características de como poderia conceder os índios como um ser humano, pois, no entanto, tudo que era diferente de uma cultura, não poderia pertencer a ela. Segundo Laplantine:“Não tendo alma, não tendo acesso à linguagem, sendo assustadoramente feio e alimentando-se como um animal, o selvagem é apreendido nos modos de um bestiário. E esse discurso sobre a alteridade, que recorre constantemente à metáfora zoológica”.

De acordo com o texto, os indígenas representariam o avesso da “civilização”. De um lado, a civilização e a humanidade (Velho Mundo), do outro, a natureza e a barbárie (Novo Mundo). E, que tudo que se afastasse de um “modelo civilizado”, seria reduzido a coisa, um objeto sem valor.

O autor cita ainda, que os africanos não deveriam serem vistos como uma sociedade civilizada, pois eles comem carne humana e fazem comércio dessa carne. Como consta no trecho: “Vivendo em uma ferocidade bestial inconsciente de si mesma, em uma selvageria em estado bruto, eles não têm moral, nem instituições sociais,religião ou Estado. Petrificados em uma desordem inexorável, nada,nem mesmo.as força da colonização, poderá nunca preencher o fosso que os separa da História universal da humanidade. (LAPLANTINE, 1999, p. 45)”.

Laplantine ( 1999,p. 46-47), disse que se havia aqueles que repudiavam a figura do selvagem, também havia o oposto. Mudando assim, a sua forma de pensar. Ele cita que: “ O selvagem não é quem pensamos. Mas que consiste apenas em inverter a atribuição de significações e valores dentro de uma estrutura.)”.

Publicado por Angel Witt

Sou formada em Jornalismo pela Universidade Feevale. Sou uma eterna apaixonada pelo jornalismo. Algumas pessoas dizem que sou louca por correr atrás dos meus sonhos. Como diria Augusto Cury, no seu livro: " De gênio e louco, todo mundo tem um pouco".

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: